terça-feira, julho 6

Raça Morena

RAÇA MORENA EM DESTAQUE
E as Cinco Raças Humanas
J. Jorge Peralta

1. A raça morena existe biológica, moralmente. Precisa impor-se politicamente. Ela se distingue entre brancos e negros, com os quais é aparentada. São primos. Estatisticamente o povo moreno, no Brasil, é o segundo maior contingente, depois dos brancos. Está no DNA. Nos demais países lusófonos, a situação não é muito diferente.
A raça morena é criação portuguesa. É fruto do cruzamento de branco e negro. A grande marca do Brasil é ser Povo Moreno, como queria Darcy Ribeiro, um grande antropólogo brasileiro.
Até a Proclamação da República, havia  brancos e negros, sendo que os morenos, por terem sangue branco, eram considerados brancos para fins de direito.
Não podemos desonrar ou negar a realidade dos fatos. Branco é branco, negro é negro, moreno é moreno. Isto apenas em termos biológicos.
Socialmente somos todos cidadãos brasileiros,  onde a cor da pede não é levada em conta, nem pode ser.

2. Em termos sociais, existem apenas seres humanos, com igualdade de direitos  e deveres essenciais, sendo proibida e injusta a discriminação, pela cor  da pelo ou pelo DNA.
Numa sociedade justa e democrática, busca-se a fraternidade e cooperação entre todos, respeitada a diferença de cada um, que é sempre enriquecedora. O essencial é fazer justiça. O trabalho de  inclusão social precisa funcionar para todos os excluídos.
Cada um tem suas qualidades e belezas próprias, produzindo a harmonia da Unidade na Diversidade.
Raças superiores ou inferiores é balela. É preconceito. É questão de oportunidade e de educação.
Cada raça tem sua beleza. É questão de saber olhar e ver, sem preconceitos.
Nem os portugueses e nem os brasileiros fazem distinção de raça. São povos cordiais. Isso não impede que haja algumas aberrações ou desvios comportamentais, próprios da condição humana.

3. Na realidade científica, o mulato é de cor morena, procedente da miscigenação do branco com o negro. Pode até ser branco ou negro, como explica a Lei de Mendel. Neste caso cada um faça sua opção. Então, biologicamente, não é branco nem negro, se levarmos em conta o DNA. É uma nova raça: O Brasil inventou a raça morena. É uma condição social e biológica.
Na raça morena temos um imenso contingente de cidadãos no Brasil.
Assume tal dimensão que Darcy Ribeiro não duvida em atribuir ao  Brasil o epíteto de povo moreno.
Os descendentes de brancos com negros são muitas vezes incomodados, por não serem considerados como raça. Problema de quem classifica só quatro raças. Eles são uma quinta raça, bem extensa, com direitos a serem reconhecidos, sem discriminação. A raça morena já produziu grandes personalidades e grandes escritores e políticos, como Machado de Assis e muitos mais.
Então no mundo teríamos cinco raças distintas: o branco, o negro, o moreno, o vermelho e o amarelo. Não temos apenas quatro raças como dizem os manuais escolares.
As cinco raças constituem uma única humanidade.

Desafio o nosso povo moreno, biologicamente, a levantar esta bandeira: A bandeira da Raça Morena. Ninguém pode negar, cientificamente, a existência desta nova e antiga raça que o Brasil criou. O Moreno não é indefinido: é moreno. Precisa saber se honrar de sua condição biológica para superar o complexo de inferioridade que nele insuflaram.
O moreno herdou os dotes específicos do branco e os do negro. Têm existência própria.

4. No Brasil, os Portugueses, ao se misturarem com os negros e índios, com eles estabeleceram um código de convivência fraterna, com inúmeras trocas culturais, naturalmente e sem barreiras nem discriminações.
De cada povo se aproveitou tudo o que dava a todos melhores condições de vida. Miscigenou-se o sistema de alimentação, os costumes, a habitação e até a Língua Portuguesa se enriqueceu.
Daí procede o nosso homem cordial, de que fala Sérgio Buarque de Holanda, e que alguns exigem que seja otário. Ser veemente não tira de ninguém á cordialidade, antes reafirma.
A bem da verdade, as riquezas que ornam a Língua Portuguesa e a destacam e engrandecem, no grande teatro do mundo, provêm desse sincretismo, dessa imensa capacidade dos portugueses de agregarem, à sua Língua, elementos  belos e pragmáticos de todos os povos da terra,  com quem conviveram e convivem por centenas de anos.
A Língua Portuguesa também deixou por todo o globo muitas contribuições linguísticas e culturais que deixaram o mundo melhor e mais belo.  
            É o milagre da cooperação e da solidariedade, entre todos os povos, culturas e etnias, que os portugueses souberam articular e que os brasileiros souberam continuar, respeitar e cultivar como marca.

            5. A Copa do Mundo, na África  do Sul, deu grande visibilidade aos Países Africanos e à Confraternização de Povos e raças, estimulando o respeito e a cooperação mútua.
            A Inspiração para elaboração desta crônica nasceu de outras crônicas que produzi anteriormente:


Um comentário:

Arnaldo Norton disse...

Parabéns! Um excelente e necessário texto. Aplaudo e aceito a totalidade dos conceitos nele definidos.
É necessário que haja mais textos como este, para despertar consciências e para fortalecer a Lusofonia.
Um abraço.