quinta-feira, agosto 5

Portugalidade afrontada

PORTUGALIDADE AFRONTADA
J. Jorge Peralta
Réplica 1 a uma crítica do senhor Cipriano.
Publicada no Portugalclub, de 02/08/2010

Caro senhor

1. De partida, agradeço suas provocações. Gosto de ser provocado. Fico incomodado quando meus textos não produzem reação.
Esta é a nossa segunda confrontação. A primeira foi em 2009.
Não sei a qual ou a quais textos  se refere a sua crítica apressada. De qualquer forma refere-se a textos que publiquei há mais de um ano, ou no Portugalclub ou no Tribuna Lusófona.
A crítica, embora inconsistente, está no ar. Precisa ser respondida para que não pareça que estou de acordo com ela. Não estou. Nem posso estar. Preciso então reagir,com todo o respeito, ainda que não queira.
Pelo seu texto percebo que está consultando os textos do meu site www.tribunalusofona.blogspot.com, onde há algumas dezenas  de textos que o senhor pode ler à vontade. É um espaço  aberto. Escrevo  para ser lido. Não seleciono os leitores.
Hoje sou um soldado, da Lusofonia. Minha arma é a caneta ou o teclado. É a palavra.

No entanto, desculpe-me, mas não entendi o que o senhor quis dizer, com sua frágeis contestações. Contestação exige confronto de argumentos, buscando o contraditório do que afirmei.
Suas contestações, que não dizem nada, são contestações vazias, sem referente. Não ficam bem, num homem de bem. É a típica contestação do grupo sentado no poder. É contestação do faz de conta.
Argumento se derruba com argumentos apoiados em fatos objetivos. Diz o seu texto que “a realidade é outra absolutamente inversa à apresentada”. A que o senhor se refere? Não sei. Suas afirmações são gratuitas. Absolutamente gratuitas.Tenho algumas dezenas de trabalhos publicados na Internet, focados na Lusofonia. A quais deles se refere a sua contestação? O senhor criou um tigre de papel para nele subir?!

2. Disse-lhe que gosto de ser provocado, mas com argumentos válidos. Depois de mais de 40 anos de trabalho em grandes universidades, ainda me considero um aprendiz. Não decretei a minha infalibilidade, como alguns fazem. Aprendo todos os dias.
Olhei o seu comentário, esperando aprender algo que somasse. Mas frustrei-me. O senhor falou,  e contestou e nada acrescentou; nem disse a que texto se refere. É crítica gratuita.
Fiquei com a ideia de que o senhor leu e não entendeu, ou não gostou e não quis entender, ou não leu e não gostou.
Senhor, não lhe fica bem subestimar ou desdenhar dos trabalhos que leu apressado. A crítica séria é sadia é desejada. Mas que seja séria. A realidade tem muitos ângulos para serem analisados.

3. Nos meus trabalhos, porque emprego, às vezes, linguagem contundente e não fico em cima do muro, conto que poderei sempre ter alguém que me conteste. Quem discorda, desde que tenha base teórica, está no seu direito democrático. Só não pode contestar gratuitamente, seja qual for o motivo. Não merece respeito quem não respeita.

Percebo que o senhor quer contestar minha posição, em relação ao “vinte cinco”. Nada a opor.
O senhor defende o 25 de Abril. Está no seu Direito e tem até alguns argumentos válidos, se os procurar. Eu contesto o 25 de Abril e grande parte dos “vintecinquistas”. Digo que o 25 de Abril foi traído. Todos sabem que foi. Não dá mais para esconder.
O País está abarrotado de denúncias fundamentadas e documentadas.
Dói-me dizer isto. Gostaria muito de  estar enganado e então rever as minhas posições. Mas também sei que nem tudo são sombras no 25 de Abril, felizmente.
O 25 de Abril foi um sonho frustrado e frustrante. Foi uma grande promessa. Só. Era preciso fazer mudanças no percurso, mas com sabedoria e dignidade. Os traidores foram mais ágeis, tomaram o timão de assalto e conduziram o barco da nação, para campos mais tormentosos. Continua de tormenta em tormenta.
O Povo não é quem mais manda, é quem sofre as conseqüência e se submete... O Zeca Afonso deve estar frustrado. O povo não manda, é mandado e humilhado! O “mando” do povo foi só encenação para  jornalista ver, relatar e fotografar.
Quer argumentos? Nem precisa sair do Portugalclub. Aqui há argumentos e fatos arrasadores, capazes de preencher uma enciclopédia.
O senhor Verdasca é um dos que aqui expuseram textos irrefutáveis.

4. O 25 de Abri foi traído quase no nascedouro, mas manteve por anos, a imagem bela de um movimento democrático a serviço da nação. Imagem vazia, mas bem enfeitada e perfumada... Uma bela farsa. Muita pena. Portugal merecia um 25 de Abril repleto de dignidade.
Perdemos uma grande oportunidade. Em vez de melhorar, pioramos muito. Foi desastroso. Portugal, em vez de levantar a cabeça, definhou em frustração e humilhação... Querem castrar 835 anos de história. Não passarão!
Viu-se depois que “a nação” eram apenas alguns oportunistas que assaltaram os cofres públicos e o bolso do povo, para proveito próprio, em meio a grande euforia e grandes promessas e terríveis vinganças e perseguições, em nome da sagrada liberdade, que agora se  mascarou como farsa, em lastimável orgia.
Eu mesmo acreditei e me orgulhei do 25 de Abril por mais de 20 anos. Até conseguir olhar o vintecinquismo, com dados mais realistas, e ao ver o rumo desastroso que tomava o país. Não dá para enganar todos por muito tempo. Muitos acreditaram e muitos se frustraram com a mentira. Um dia a máscara cai!
Assim penso, dentro de minha visão Democrática de nação soberana, de desenvolvimento social e técnico-científico.
“Não há mal que não se acabe, nem bem que sempre dure”.

5. É sabido que os últimos governos simplesmente estão varrendo do país a ideia de Portugal nação.  Mas que afronta! Estão substituindo o orgulho do nosso país, pelo orgulho de ser europeu. Um descalabro. Que vergonha!! Portugal está sendo, cultural e psicologicamente, dilapidado por apátridas! Esquartejado, por uma matilha de hienas selvagens... Portugal está sendo “colonizado” por aventureiros, sem passado e sem futuro. Está pagando caro por isso...
Os símbolos portugueses foram paulatinamente sendo esquecidos, pelo 25 de Abril, até que veio o Filipão, um Brasileiro e ensinou Portugal a ter orgulho de sua bandeira e a expandir sua alegria reprimida.
Portugal, nas escolas, é ou Europa ou Ibéria. Não há mais Descobrimentos Portugueses, mas descobrimentos ibéricos, isto é, na prática, espanhóis. Que vergonha! Dar o que é nosso?!! A quem?!
Somos iberos mas somos Portugal, como os Castelhanos são iberos mas são Espanha. Mas Portugal não é Espanha e nem Espanha é Portugal. É assim que tem de ser. Para sempre. O destino assim quis. E ainda bem!
A Espanha está querendo usurpar o nome Ibéria, que também é nosso. Nossa marca de identidade parte dos lusitanos. Querer apagar Portugal nação é crime de lesa-humanidade.
Vasco da Gama, para o 25, não é mais um grande navegador português, mas um grande navegador da Ibéria. Muitos de nossos grandes heróis devem estar se revirando no túmulo e se vingarão dos farsantes.
A Ibéria que se propõe, é a Espanha dominando toda a Península Ibérica e não a reunião dos povos da Ibéria: Portugal, Castela, Galiza, Catalunha, País Basco, etc. Portugal tem uma individualidade marcante e preciosa, que não pode ser  jogada em vala comum.
Portugal e Espanha devem se respeitar sempre, viver fraternalmente, mas fraternidade não é dominação, nem exploração mútua. É respeitar a soberania de cada um. Que Portugal nunca esqueça o que houve em Olivença, que é paradigma de dominação asfixiante, arrogante e sanguinária de Castela.

Acabaram com a história de Portugal, no ensino básico.
A educação de nossa juventude está sucateada. Lastimável.
Isto é só uma pontinha de perigoso icebergue (sic).
Se alguém puder contestar o que aqui afirmo, com dados válidos e comprováveis, eu ficaria muito satisfeito. Eu gostaria muito que nada disto fosse verdade. Pelas informações que me chegam, é assim e muito pior.
No entanto sabemos, como dizia minha mãe, que:
“Não há mal que não se acabe e nem bem que sempre dure”
Se não nos esmorecermos, o amanhã nos devolverá esperança, com dias melhores e a volta da claridade.
Quem sabe faz a hora não espera acontecer”.

6. Quanto ao que digo de Portugal, digo-o com argumentos. Sobre a linha de reflexão que adoto, há ampla bibliografia que o leitor pode consultar. Crio mas não invento o que informo.

Como cientista da linguagem, eu costumo apreciar sempre os argumentos, em confronto. Peso os dois lados com isenção.
O seu argumento de que somos apenas um país modesto e acanhado não procede. É marca de pequenez.
Foi esse país, nada modesto e nada acanhado, que produziu uma obra que deixou o mundo espantado. Seu argumento interessa apenas aos  que querem justificar sua pequenez mental. Mas a ideologia oficial, hoje, “vende” essa ideia maluca sobre Portugal. Isso é coisa de gente  falida e muito pequena. Portugal não merece essa gente no poder. Predadores no poder?! É macabro!

Portugal é o país que liderou os destinos  do mundo por mais de 100 anos. Até recentemente (1975) era um dos países maiores do mundo.
Hoje, a Língua Portuguesa  é a terceira (3ª)  língua  mais falada no Ocidente. Isto não é gabarito de um “País Acanhado”a que o senhor se refere. Acanhado e fraco é quem pensa assim... reiteradamente.  
Os países não se medem pelo tamanho de seu território. Só os vintecinquistas usam argumento tão débil e talvez tão “palerma”.

7. Quanto a serem portugueses só os que nasceram em Portugal, essa é apenas uma condição acidental. Para ser português de verdade tem de sê-lo de coração e de opção. Não questão de acaso.
Muitos que hoje se dizem portugueses nos documentos, só se consideram europeus ou sei lá o quê.
Mas este argumento que aqui se repete, já lho contestei em diálogo anterior, aqui neste espaço. Reveja-o. Não será difícil encontrá-lo. Uma pessoa pode ter nascido fora, adquirido nova nacionalidade, e ser muito mais patriota que os natos no país.
Está na hora de desafrontar Portugal e lhe dar um governo à altura de seus destinos.
 (São Paulo, 04/08/2010)


2 comentários:

alexandre disse...

Palavras sábias , primo ! Mesmo estando longe , demonstra conhecimento da situação . Leitura absolutamente correcta . . .
Aquele abraço .

Arnaldo Norton disse...

Um texto brilhante, meu amigo ! Apoio, inteiramente!...
Os comentários a que Vc está a responder, dão a entender que são da autoria de alguém com pouca instrução a quem fizeram uma lavagem ao cérebro.
Os comentários e o autor não merecem o esforço que Vc fez ao bater as teclas. Apesar disso, o esforço não foi em vão, porque ficamos todos a ganhar com as afirmações corajosas e dignas que produziu.
Vc afirma ser um soldado da Lusofonia, condição que eu, também,orgulhosamente assumo. Mas precisamos de mais gente com coragem para denunciar, porque os traidores sáo muitos e a ignorância é muito maior.
Um abraço.